carolina botura + giulia puntel + julia panadés: HÍBRIDA


A expressiva produção feminina nas artes visuais é o grande destaque da quinta edição do Programa ARTEMINAS, que terá as exposições abertas a partir do dia 29 de novembro. Trata-se de uma iniciativa da Fundação Clóvis Salgado que se consolida como um programa voltado às artes visuais mineiras e seus artistas. 

 ARTEMINAS Narrativas Femininas – Sou aquilo que não foi ainda possui curadoria da Gerente de Artes Visuais da FCS, Uiara Azevedo, e da curadora independente Marci Silva, além da assistência curatorial de André Murta. O título da mostra leva o verso de um poema da artista mineira Teresinha Sores, artista plástica e escritora que abarca em sua produção o universo feminino de forma transgressora e antipatriarcal. “O que não foi ainda” nos diz sobre um processo constante de luta feminina – do que estar por vir, e do que se busca fazer acontecer.

 Para este ano, foram convidadas as artistas Carolina Bortura, Guilia Puntel e Julia Panadês (Galerias Genesco Murta e Arlinda Corrêa Lima), da exposição coletiva Híbrida, com linguagens e propostas características do universo contemporâneo; Ártemis Garrido, Isabel Saraiva, Maria Clara Cheib e Amanda Vilaça (Galeria Aberta Amílcar de Castro), com a exposição Efêmera, evidenciando a potencialidade do grafite; Os coletivos As Bordadeiras do Curtume e Bordadeiras da Vila Mariquinhas, além das artistas  Ana do Baú, Ana Ribeiro, Cássia Macieira, Clemência, Dida, Dionisia, Dona Enedina, Dona Irene, Dona Isabel, Eva, Geralda Batista, Ivanete, Maria de Lourdes, Maria Lira, Mariquinhas, Noemisa, Rosana, Vicentina Julião, Zefa e Zezinha (Galeria Mari’Stella Tristão), revelando o potencial da arte popular na exposição Assim, como acontece; e nomes como Aretuza Moura, Arlinda Corrêia Lima, Fatima Pena, Fayga Ostrower, Juliana Gontijo, Mabe Bethônico, Marcia Xavier, Marina Nazareth e Yara tupynambá (PQNA Galeria Pedro Moraleida), reunidos na exposição Acervo FCS Mulheres.

 

HÍBRIDA 

Carolina Botura + Giulia Puntel + Julia Panadés 

eu + tu /  corpo + corpo / corpo a corpo / corpo no corpo / individualidade perdida / dupla estrutura corpo / encontro / eu + tu / novo corpo

Anna Maria Maiolino, Nova Iorque 1971 

A exposição Híbrida nasce da união entre três grupos de trabalhos individuais produzidos por Carolina Botura, Giulia Puntel e Julia Panadés. Juntas, elas compõem uma mostra que, como a etimologia do nome indica, gera um cruzamento, neste caso, de fronteiras artísticas e criativas, dando lugar a um gênero expositivo experimental, aberto à colaboração e à troca de experiências. Como no poema de Anna Maria Maiolino o eu, o tu e o corpo são elementos que se combinam e formam um novo corpo, corpo artístico, corpo território, corpo de forças, corpo pele, feminino-masculino, corpo híbrido, corpo humano. Botura, Puntel e Panadés são artistas que, cada uma ao seu modo, interessam-se pelo corpo como força criadora, mutante, erótica e sentimental. 

Em "Adoraria Gritar mas Minha Boca está Cheia”, Giulia propõe uma reflexão sobre os corpos super-expostos, sem identidade, mas atravessados por uma construção fantástica de imagens que se estabelecem e se completam a partir dos encontros e relações. Suas pinturas deixam espaço para o mistério, para uma tensão criada, não pelo que se vê, mas, principalmente, pelo que está escondido ou prestes a acontecer. É a partir do imaginável e da troca com nossa própria percepção de vida que a obra se completa, na atmosfera densa resultante do desconhecido, na busca por uma narrativa de mundo mais libertadora. 

Ela, a criação, é a força motora das obras de Julia. “Corpo em Obra” nomeia o conjunto de trabalhos em seda, linho, algodão, linha e madeira. Poemas bordados, dobras, rasgos, e tecidos sobrepostos geram uma escultura penetrável, o vestido-tenda Cartilha da Cura, além de uma série de bandeiras instaladas sobre as paredes, as Flâmulas Fêmeas e as Flâmulas em Bando. Elas apresentam, como traço comum, uma diversidade de formas, entre fendas e dobras, evocando a anatomias possíveis. A outra série, Flâmulas do Naufrágio, apresenta livro-poemas cujos versos bordados são distribuídos sobre as camadas de tecido sobrepostas. As peças convidam à manipulação, gerando uma leitura dilatada dos sentidos, pouco a pouco revelados: ’Intimidade / é uma casa pequena’ ;  ‘Nem só má / Nem só terna / Materna’ ;  ‘Ela/ Desfazia o que tecia / como oferta ao recomeço.’ As obras de Julia afirmam a posição da mulher em sua força criadora, tanto no campo da arte, quanto na geração da vida, sem reforçar o estereótipo da mulher domesticada por funções sociais e biológicas. 

Na instalação ‘Amantes’, composta por pinturas, litogravuras, esculturas e vídeos, Carolina aponta em suas obras a equalização das energias complementares femininas e masculinas como um caminho para o autoconhecimento e o equilíbrio entre e além gêneros. Somos todos luz e escuridão, vida e morte, consciente e inconsciente, suavidade e dureza e, justamente neste cruzamento em busca do equilíbrio é que as obras de Botura ganham força. Na união entre o profano e o sagrado, o misticismo e o realismo evidencia-se a plasticidade das relações corporais e interpessoais. Dos vidros soprados surgem o ovo, o útero, os ovários e o pênis; a dupla estrutura do corpo, sexual, renascido e valorizado. Na busca da expansão da consciência encontra-se então o amor e a compaixão, a fusão natural entre os seres e, consequentemente, o enlace.

É na conversa e nas zonas de silêncio que esses corpos de trabalhos poderão gerar criações híbridas, singulares e partilhadas através do convívio entre universos simbólicos distintos, e também correlatos. Uma galeria viva, cujo espaço-tempo possível é nutrido por encontros e alianças entre o eu, o tu e os novos corpos emergentes. 

Curadoria: Laura Barbi