JULIA PANADÉS: DESENHOS DA ESTAÇÃO


 

EXPOSIÇÃO INDIVIDUAL + LANÇAMENTO LIVRO IMAGINO VENEZA

21 de Março a 24 de Abril 2019

RESTAURANTE DO ANO

R. Levindo Lopes 158, Savassi,

Belo Horizonte,  MG, Brasil.

GAL, em parceria com o Restaurante do Ano, apresenta a mostra individual da artista mineira Julia Panadés, DESENHOS DA ESTAÇÃO. Celebrando o início do Outono, a exposição reúne uma seleção de obras inéditas, produzidas pelo artista entre 2018 e 2019. Conhecida por seu trabalho em desenho, bordado e a escrita além de instalações em tecido e papel, a série apresentada por Julia nesta mostra é o resultado de seu hábito de colecionar folhas, flores, frutos, raízes, ramos e sementes de diversas espécies botânicas encontradas pela cidade. Segundo a artista “São restos vegetais encontrados no chão, desprendidos por maturidade ou pela incidência de chuvas e ventos. Com o tempo eles vão ficando cada vez mais secos, estalam, mudam de cor, viram pó, enquanto novas coletas refazem a vitalidade do acervo”.

Julia comecou a colecionar o que ela chama de “restos sazonais” como forma de aprender o gesto do broto, a abertura do fruto e o “silêncio das sementes, a pele da folha, a intimidade da flor, a vivacidade do ramo, a força da raiz”. Os DESENHOS DA ESTAÇÃO são fruto desta tematização das plantas e pela sua coleção de restos. Com ela, Julia aproxima o vegetal, o humano, o desenho e a palavra a partir da observação meditativa dos restos botânicos, sempre com uma técnica apurada que mistura a aquarela, o guache e o grafite sobre a trama lisa do papel. DESENHOS DA ESTAÇÃO é uma exposição que fala sobre a graça dos ciclos da natureza, potencialmente infinita.

SOBRE O LIVRO IMAGINO VENEZA: “Como funciona escrever de um lugar onde nunca se esteve antes? Quero chegar a um estado de Veneza. Sou permitida pela palavra, matéria que se move entre o vivido e o não vivido.” O poema Imagino Veneza foi escrito entre 2008 e 2009, quando Julia Panadés recebeu o convite para participar de uma exposição coletiva em Veneza. Ela não foi, mas enviou seus desenhos. Depois passou meses a escrever o poema, num vórtice nascido entre o desejo de ir e a inviabilidade. Depois de dez anos, o poema se torna livro e ganha um projeto gráfico, assinado por Daniella Domingues, em mais uma bela publicação da Modular Edições. O livro será lançado simultaneamente à abertura da exposição DESENHOS DA ESTAÇÃO.